marcas
  • Home
  • Uncategorized
  • De mal a pior: Com saúde a beira da falência, Prefeitura de Simões Filho faz empréstimo de R$ 25 milhões para obras de infraestrutura
Uncategorized

De mal a pior: Com saúde a beira da falência, Prefeitura de Simões Filho faz empréstimo de R$ 25 milhões para obras de infraestrutura

Em meio às circunstâncias que vive atualmente o município de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), parece que a proximidade do ano eleitoral e a alta rejeição por parte da população local fez com que o prefeito Diógenes Tolentino (Dinha), entrasse em colapso.

Com a saúde a beira da falência, educação com um dos piores índices de desenvolvimento de todos os tempos e um serviço de transporte público praticamente inexistente, o gestor municipal decidiu fazer um empréstimo no valor de R$ 25 milhões com a Caixa Econômica Federal, para custear obras de infraestrutura como a requalificação do Mercado Municipal, do Estádio Edgar Santos e pavimentação de algumas ruas.

É fato que o Mercado Municipal está entregue as traças nos dois últimos anos e que os permissionários do estabelecimento comercial necessitam sim do mínimo de dignidade para continuar levando o sustento para suas casas.  Assim como, fomentar o esporte e a cidadania é dever do poder público, mas, não seria o caso de priorizar a saúde nesse momento de decadência?

O prefeito Dinha está sendo investigado por possíveis irregularidades no contrato da empresa que gerencia o Hospital Municipal e, infelizmente, não param de chegar denúncias de pacientes revoltados com o descaso na saúde pública do município. Na semana passada, por exemplo, um bebê recém-nascido veio a óbito por suposta negligência médica e falta de estrutura da unidade de saúde.

Uma testemunha que presenciou todo o atendimento, desde a chegada da mãe até o falecimento da criança conta que, a paciente foi submetida a perder as forças, tentando fazer vir ao mundo, de maneia natural, o bebê que pesava mais de 5 kg. Somente depois de longas horas de sofrimento é que a criança veio ao mundo, já quase sem sinais vitais e horas depois faleceu, ainda na unidade hospitalar.

 

Casos como esses são corriqueiros e caracterizam o desrespeito com o qual a gestão da “Boa Terra, Boa Gente” [como diz o slogan da prefeitura] tem tratado seus munícipes. Mas, isso não vem o caso, porque mais parece que o prefeito está preocupado com obras visíveis, capazes de garantir sua reeleição, do que com o cuidado com aqueles que mais precisam de atenção e assistência nos momentos de maior dificuldade.

Sem falar na dívida milionária que o prefeito vai deixar aos cofres públicos, para ser paga “a perder de vista”. Justo ele, que tanto criticou o ex-gestor, Eduardo Alencar e desqualificou a antiga administração em todos os seus discursos políticos por causa de uma suposta dívida milionária, oriunda de inadimplência com o INSS.

Vale salientar ainda que, no inicio do seu governo, Dinha anunciou aos quatro cantos da cidade o projeto que previa uma economia de R$ 140 milhões ao cofres públicos ao termino do seu mandato (35 milhões por ano), com a extinção de algumas secretarias. Contudo, pelo visto “o tiro saiu pela culatra” e ele precisou de reforços, buscando recursos através de empréstimos e parcelamentos.

Agora resta saber se, a população local ainda está tão despolitizada ao ponto de deixar passar despercebida a ingerência dos serviços básicos e essenciais no município ao longo desses dois anos e meio de gestão, em detrimento das obras grandiosas que Dinha pretende fazer no último ano de sua administração, “de olho” em uma ♦

LEIA TAMBÉM

Câmara aprova texto principal da reforma da Previdência em segundo turno

Redação

Articulando candidatura petista, Caetano escala Wagner para programa no Facebook

Redação

Após ondas de quatro metros, 11 imóveis são interditados em Arembepe

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO