marcas
Cinema Destaque

‘Aladdin’ moderniza animação da Disney com ótimo elenco pouco conhecido e Will Smith;

Trio de novos protagonistas brilha e Smith supera desafio como novo gênio, em versão com atores de desenho de 1992.

Divulgação

Desde que começou, em 2014, uma franquia não-oficial com adaptações de seus clássicos animados em filmes de atores, a Disney tem conseguido níveis variados de sucesso. Com “Aladdin”, nova versão do desenho de 1992, o estúdio pode ter conseguido seu melhor resultado.

A produção, que estreia no Brasil nesta quinta-feira (21), moderniza bem a história através de um jovem e talentoso elenco, composto em sua maioria por relativos desconhecidos.

Até Will Smith e o diretor Guy Ritchie (“Sherlock Holmes”), ao mesmo tempo os maiores nomes do filme e seus maiores riscos, conseguem se recuperar de trabalhos recentes criticados com performances sólidas no geral.

O resultado positivo faz com que o novo “Aladdin” rivalize muito bem com “Mogli – O menino lobo” (2016), a melhor das adaptações do estúdio. Mas, enquanto o filme de Jon Favreau apresentava um lado mais sombrio do original, o lançamento de agora consegue manter seu espírito festivo e infantil.

Assista ao novo trailer de Aladdin

Troca de gênios

A história é basicamente a mesma. Em uma época de sultões e de magia, o jovem Aladdin (Mena Massoud) vive de pequenos roubos até encontrar um gênio (Will Smith) dentro de uma lâmpada.

Com direito a três desejos, ele precisará de ajuda para conquistar a princesa Jasmine (Naomi Scott) e deter os planos do maligno conselheiro real Jafar (Marwan Kenzari).

Mena Massoud e Will Smith em cena de 'Aladdin' — Foto: Divulgação

Mena Massoud e Will Smith em cena de ‘Aladdin’ — Foto: Divulgação

A produção perde um pouco a mão ao tentar colocar Smith em situações nas quais Williams era mestre, como as mudanças constantes de personalidades.

Mesmo assim, o antigo rapper dá toques pessoais ao personagem e não decepciona. Mesmo que sua cabeça continue esquisita no corpo azul flutuante.

Já Massoud (“Jack Ryan”) apresenta uma atuação leve e despreocupada, e convence como o malandro de bom coração que dá nome ao filme. O canadense de 27 anos nascido no Egito merece crescer em Hollywood após o papel.

Do outro lado, Kenzari (“Assassinato no Expresso do Oriente”) até passa certa insegurança no começo com um Jafar um tanto diferente do original, mas mostra tanta personalidade que domina o personagem e o transforma em seu.

Marwan Kenzari em cena de 'Aladdin' — Foto: Divulgação

Marwan Kenzari em cena de ‘Aladdin’ — Foto: Divulgação

LEIA TAMBÉM

MDB e PSD devem travar “Duelo de Gigantes” pela Prefeitura de Simões Filho em 2020

Redação

 Léo Telles parabeniza Santo Amaro de Ipatinga pelo seus 412 anos.

Redação

Blitz de máscaras em Lauro de Freitas

Raniel

DEIXE UM COMENTÁRIO