marcas
  • Home
  • Uncategorized
  • Etanol: Coronel quer derrubar portaria que salva usinas americanas e prejudica as brasileiras
Uncategorized

Etanol: Coronel quer derrubar portaria que salva usinas americanas e prejudica as brasileiras

O senador Angelo Coronel (PSD) apresentou Projeto de Decreto Legislativo (PDL n° 618, de 2019) sustando a Portaria do Governo Federal que aumentou as alíquotas de importação de etanol dos Estados Unidos.

A Portaria nº 547, de 31 de agosto de 2019, editada pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia aumenta em 150 milhões de litros a quantidade de etanol com isenção de alíquotas tarifárias. A quantidade anterior era de 600 milhões de litros.

justificativa do Projeto, o baiano afirma que a medida vai ao encontro da liberdade econômica, mas que a “tal liberdade não pode prejudicar produtores, em especial do Nordeste, em nome do ‘salvamento das pequenas usinas norte-americanas’, como ressaltado pelo próprio presidente Donald Trump ao comemorar, antes mesmo da publicação, a edição da portaria”.

Coronel vai além e afirma no texto do PDL que “a dispensa da tarifa de 20% ao etanol americano custará R$ 270 milhões em renúncia fiscal – recursos que poderiam ser alocados em áreas que foram alvo de contingenciamento orçamentário, como a saúde e a educação”.

O senador baiano defende no texto do projeto que a abertura comercial deve ser acompanhada da reciprocidade, e cita como exemplo a adição de 15% de etanol na gasolina americana e a abertura do mercado de açúcar aos produtores brasileiros.

Segundo ele, sem reciprocidade a portaria “serviu para salvar produtores e empregos americanos, em vez dos produtores e trabalhadores do Brasil”, deixando o preço do etanol americano mais competitivo principalmente em relação à produção nordestina, de 3 bilhões de litros e que emprega aproximadamente 35% da mão-de-obra no setor.

“O Brasil produz aproximadamente 33 bilhões de litros de etanol, consumindo por volta de 1,7 bilhão de litros, portanto sem a necessidade do produto americano fortemente subsidiado”, alerta Angelo Coronel no texto do PDL já em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, CCJ.

Ele também cobra do governo brasileiro melhorar as condições de produção para o etanol nacional a partir da cana-de-açúcar, lembrando que se ela produz menos álcool que o milho por tonelada, em compensação requer uma área menor para a produção, emite menos carbono e, ao final, custa menos para o consumidor.

Por fim, Angelo Coronel argumenta que a Portaria do Ministério da Economia foi publicada sem qualquer participação de empresários e do Congresso Nacional.

LEIA TAMBÉM

Mais de 900 mil títulos podem ser cancelados na Bahia por falta de cadastro biométrico

Redação

Após troca no Inep, MEC confirma manutenção do cronograma do Enem 2019

foconanews

22ª CIPM e Esquadrão de Motociclistas Águia realizam operação conjunta na cidade de Simões Filho

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO