marcas
  • Home
  • Destaque
  • FacebookTwitter Foto: Divulgação/MPBA Foto: Divulgação/MPBA O major do Corpo de Bombeiros Valdiógenes Almeida da Cruz Júnior foi condenado a 15 anos, um mês e 15 dias de prisão pelo assassinato da sua companheira, a professora Sandra Denise Costa Alfonso. O julgamento popular foi realizado na terça-feira (17) e divulgado pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) nesta quarta (18). A denúncia do MP contra o major foi sustentada pela promotora de Justiça Isabel Adelaide. A sentença foi proferida pela juíza Gelsi Maria Almeida de Souza, que manteve a prisão preventiva do condenado. O júri considerou Valdiógenes culpado por feminicídio cometido por motivo torpe e sem possibilitar defesa da vítima. Segundo a denúncia, feita em 2016 pela promotora de Justiça Ana Rita Cerqueira, o major disparou seis vezes contra Sandra Denise na manhã do dia 13 de maio de 2016 dentro da Escola Municipal Esperança de Viver, em Tancredo Neves, local onde ela trabalhava. Preso em flagrante, Valdiógenes Almeida alegou como “justificativa” que atirou contra a vítima porque ela teria relações extraconjugais duradouras.
Destaque

FacebookTwitter Foto: Divulgação/MPBA Foto: Divulgação/MPBA O major do Corpo de Bombeiros Valdiógenes Almeida da Cruz Júnior foi condenado a 15 anos, um mês e 15 dias de prisão pelo assassinato da sua companheira, a professora Sandra Denise Costa Alfonso. O julgamento popular foi realizado na terça-feira (17) e divulgado pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) nesta quarta (18). A denúncia do MP contra o major foi sustentada pela promotora de Justiça Isabel Adelaide. A sentença foi proferida pela juíza Gelsi Maria Almeida de Souza, que manteve a prisão preventiva do condenado. O júri considerou Valdiógenes culpado por feminicídio cometido por motivo torpe e sem possibilitar defesa da vítima. Segundo a denúncia, feita em 2016 pela promotora de Justiça Ana Rita Cerqueira, o major disparou seis vezes contra Sandra Denise na manhã do dia 13 de maio de 2016 dentro da Escola Municipal Esperança de Viver, em Tancredo Neves, local onde ela trabalhava. Preso em flagrante, Valdiógenes Almeida alegou como “justificativa” que atirou contra a vítima porque ela teria relações extraconjugais duradouras.

[Projeto de limpeza das praias reúne voluntários na Barra e Boa Viagem]

Bituca de cigarro, canudos, dentaduras, copos, roupas, pneu e até um sofá não foram encontrados em um lixão, todos esses objetos foram retirados das areias e mar da praia da Barra. Situação que demonstra a necessidade de projetos como o Clean Up Day – Dia Mundial da Limpeza, que acontece na manhã deste sábado (21), nas praias da Barra e Boa Viagem, em Salvador.

A ação voluntária é uma iniciativa internacional que, na capital da Bahia, conta com a participação de 200 voluntários. Em um dos postos, o projeto é realizado em mais de 3 km das praias do Porto da Barra, Parque Marinho e  Farol, onde será realizada a limpeza de lixo no fundo do mar, das areias e conscientização de banhistas e trabalhadores sobre o descarte correto de resíduos.

A voluntária Cléo Miranda participou com os filhos Lucas, 8 anos e Júlia,13 anos,da ação. “Esse projeto é um cuidado com o local que nós frequentamos que quero passar para meus filhos. Juntos, nós já retiramos das praias coisas absurdas como seringa, cano e muitos copos e bitucas de cigarros. Meus filhos repassam para os amigos, a educação ambiental que praticamos nessa ação de limpeza”, comemora.

O repassar da conscientização é um dos principais objetivos de um dos organizadores do projeto, Waldson Campos, presidente do Amabarra. “Colaboramos com essa ação para educar os frequentadores das praias e tentar fazer com que cada um tenha o cuidado de não poluir um lugar que lhe pertence também. Esse sentimento ele vai repassar para família e amigos. É melhor do que deixar um lixo que vai prejudicar o meio ambiente e animais do local por anos”, destaca.

Participantes 

O projeto é aberto ao público e quem quiser colaborar pode chegar na praia da Barra e ajudar na ação durante todo o dia. Cada voluntário recebe um kit com luvas, sacolas biodegradável, boné e camisa que identificam o voluntário.

Ação conta com participação da Associação de Moradores e Amigos da Barra (Amabarra), do Instituto Fundo Limpo, Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), projeto Fundo Folia, projeto Praia Limpa e Grupo de Voluntários de Salvador do Greenpeace

LEIA TAMBÉM

Loteamento Naturaville 2: MP apura mais um crime na Prefeitura de Camaçari

Raniel

Vereadores participam de festividades alusivas aos 58 anos de Emancipação Política de Simões Filho

Redação

Prefeita diz que o ex-prefeito Dr. Breno deixou um rombo de R$ 40 milhões

Raniel

DEIXE UM COMENTÁRIO