marcas
  • Home
  • Bahia
  • Kátia Oliveira quer declarar bandas marciais e as fanfarras como Patrimônio Cultural Imaterial da Bahia
Bahia Destaque

Kátia Oliveira quer declarar bandas marciais e as fanfarras como Patrimônio Cultural Imaterial da Bahia

As bandas marciais e as fanfarras podem ser declaradas como Patrimônio Cultural Imaterial da Bahia. É o que propõe um projeto de lei apresentado pela deputada estadual Kátia Oliveira (MDB), que justifica a proposta pelo fato de as bandas marciais e fanfarras estarem enraizadas na cultura do estado.

A parlamentar ressalta que, na Bahia, as bandas marciais e fanfarras extrapolam o ambiente educacional e militar, e também estão vinculadas às igrejas, associações comunitárias e aos municípios, sendo comum à sua presença em ambientes variados, como carnaval, procissão religiosa, inaugurações de obras, gincanas culturais, competições esportivas e festividades solenes.

as bandas marciais e as fanfarras estão arraigadas na cultura popular baiana, representando um saber e bem cultural de natureza imaterial, a julgar por sua transmissão ao longo de gerações. Inclusive, as fanfarras e bandas marciais organizam-se, periodicamente, em concursos e disputas regionais, confirmando a força desse costume”, pontua.

Com o reconhecimento como Patrimônio Cultural Imaterial, destaca a deputada, as bandas e fanfarras “poderão usufruir da devida proteção legal pelo Estado da Bahia, de forma a terem as suas manifestações preservadas, divulgadas e, na medida do possível, tenham suas demandas asseguradas pelo poder público”.

Kátia Oliveira também quer instituir o Dia Estadual das Bandas Marciais e Fanfarras, a ser comemorado em 25 de novembro. A escolha da data é uma homenagem aos integrantes da Fanfarra do Educandário Oliveira Brito (FANEOB), do município de Euclides da Cunha, que morreram após um acidente na BR-116, no dia 25 de novembro de 2018, quando se deslocavam para a cidade de Antônio Gonçalves, na Região Metropolitana de Feira de Santana, para disputar uma etapa do concurso de bandas musicais. Foram oito mortos no acidente

LEIA TAMBÉM

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (7), revogou a prisão preventiva de Isadora Alkimin Vieira, filha mais nova do cantor Belo. Ela estava presa no Instituto Penal Santo Expedito, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, após denúncias de fraudes bancárias de uma quadrilha. Além de Isadora, seis mulheres tiveram a prisão preventiva revogada e devem cumprir medidas cautelares, como informarem as autoridades sobre suas atividades uma vez por mês, não entrarem em contato com as supostas vítimas dos golpes e não saírem de casa à noite ou nos dias de folga. A estudante de Odontologia, de 21 anos, é suspeita de integrar um grupo acusado que faz parte de uma organização criminosa que induzia vítimas a repassarem seus dados bancários e, posteriormente, entregarem seus cartões a motoboys para serem utilizados pela quadrilha. Matérias relacionadas “Estou surpreso e arrasado”, declara Belo após filha ser presa por suposta participação em golpes Presa, filha de Belo afirma que desconhecia trabalhar para golpistas Mulher integrante de suposta quadrilha afirma que filha de Belo e outras garotas eram prostitutas

Redação

Simões Filho está entre as cidades escolhidas para realização de projeto de fotografia da ONG ImageMagica

Redação

Educação entrega sala de recursos multifuncionais na Escola Jardim Ipitanga

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO