marcas
  • Home
  • Destaque
  • Mulher é morta a tiros na porta de casa em Itamaraju
Destaque Polícia

Mulher é morta a tiros na porta de casa em Itamaraju

Uma mulher foi morta a tiros na noite desta segunda-feira (27) na cidade de Itamaraju, no sul do estado. A informação é do G1.

De acordo com funcionários da delegacia da cidade, a vítima foi identificada como Rafaela de Souza Celestino. A jovem foi baleada na porta da casa onde morava. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ainda foi chamado por vizinhos, mas quando os socorristas chegaram, Rafaela já estava morta.

“Senhor, que dor! Deus coloque minha irmã em um bom lugar. Nossa família agora está incompleta. Que dor, Senhor quanta dor. Meu coração está aflito. Rafaella Celestino, não estou conseguindo passar por isso. Você sempre me deu forças, sempre foi a mais forte, me apoia tudo. E sem você? O que vou fazer ?”, escreveu a irmã da vítima em uma rede social.

A Polícia Civil investiga a motivação e autoria do crime

LEIA TAMBÉM

Prefeita Moema Gramacho quer mudar nome de Lauro de Freitas

Redação

Vereador Decinho rompe com Moema Gramacho e se une a Mirela Macedo

Raniel

FacebookTwitter Foto: Divulgação/MPBA Foto: Divulgação/MPBA O major do Corpo de Bombeiros Valdiógenes Almeida da Cruz Júnior foi condenado a 15 anos, um mês e 15 dias de prisão pelo assassinato da sua companheira, a professora Sandra Denise Costa Alfonso. O julgamento popular foi realizado na terça-feira (17) e divulgado pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) nesta quarta (18). A denúncia do MP contra o major foi sustentada pela promotora de Justiça Isabel Adelaide. A sentença foi proferida pela juíza Gelsi Maria Almeida de Souza, que manteve a prisão preventiva do condenado. O júri considerou Valdiógenes culpado por feminicídio cometido por motivo torpe e sem possibilitar defesa da vítima. Segundo a denúncia, feita em 2016 pela promotora de Justiça Ana Rita Cerqueira, o major disparou seis vezes contra Sandra Denise na manhã do dia 13 de maio de 2016 dentro da Escola Municipal Esperança de Viver, em Tancredo Neves, local onde ela trabalhava. Preso em flagrante, Valdiógenes Almeida alegou como “justificativa” que atirou contra a vítima porque ela teria relações extraconjugais duradouras.

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO