marcas
  • Home
  • Educação
  • Inep: com 26% de verba bloqueada, servidores temem risco ao Enem
Educação

Inep: com 26% de verba bloqueada, servidores temem risco ao Enem

Mais cedo, o presidente do instituto, Alexandre Lopes, disse que o cronograma do exame está mantido

Após os cortes orçamentários impostos pelo Ministério da Educação (MEC), a verba do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem ) teve um bloqueio de 26% da renda discricionária da autarquia. Do total de R$ 1,5 bilhão, estão contingenciados R$ 394,6 milhões, segundos dados fornecidos pelo instituto. A informação é do jornal O Globo.

De acordo com a reportagem, servidores temem que o corte de verbas inviabilize a realização do Enem deste ano. Para eles, se não for descontingenciado, o recurso atualmente livre não será suficiente para bancar o exame e a avaliação da educação básica.

O Inep é considerado a autarquia mais importante do MEC por ser responsável pelas avaliações, como o Enem, além de levantar todos os dados da educação brasileira.

Troca de comando
O novo presidente da autarquia, Alexandre Lopes, que ainda não tomou posse, afirmou nesta sexta-feira (17/05/2019) que o cronograma do Enem está mantido. As declarações foram veiculadas pela assessoria do MEC. Segundo Lopes, os mais de 5 milhões de estudantes inscritos “podem ficar tranquilos”.

“Tanto Inep quanto o MEC vão trabalhar juntos para que tudo ocorra com tranquilidade”, garantiu Lopes. O novo presidente do Inep foi indicado para o cargo após o delegado da Polícia Federal Elmer Vicenzi pedir demissão nessa quinta-feira (16/05/2019).

Além de haver uma troca no principal carga do Inep, a realização do Enem deste ano teve uma outra ameaça. Isso porque a gráfica RR Donnelley, responsável pela impressão da prova, declarou falência. Às pressas, o ministério confirmou o nome de outra empresa, a Valid S.A, para garantir a realização do exame.

As inscrições para o Enem se encerram nesta sexta-feira, às 23h59.

“Puxou o tapete”
O Inep enfrenta sucessivas crises no quadro. A mais recente delas foi a demisão de Marcus Vinícius Rodrigues. Segundo o então ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez, a exoneração ocorreu porque ele “puxou o tapete”.

Rodrigues foi dispensado após suspender, até 2021, a avaliação da alfabetização de crianças. A portaria foi revogada. “O diretor-presidente do Inep puxou o tapete. Ele mudou de forma abrupta o entendimento que já tinha sido feito para a preservação da Base Nacional Curricular fazer as avaliações de comum acordo com as secretarias de Educação”, explicou, à época.

Alexandre será o quarto presidente da autarquia em pouco mais de quatro meses da gestão de Bolsonaro. Os primeiros a ocuparem o cargo foram Maria Inês Fini, que ficou catorze dias no posto, e Marcus Vinícius Rodrigues, que dirigia o órgão desde 22 de janeiro. Vicenzi o sucedeu. Em duas oportunidades, a presidência do Inep ficou vaga.

LEIA TAMBÉM

Consulta pública do Future-se tem mais de 55 mil cadastrados

Redação

Ministro da educação diz que professores coagem alunos para participarem das manifestações

foconanews

Enem 2019 tem 6,3 milhões de inscritos

foconanews

DEIXE UM COMENTÁRIO